IMG_8875
Diário de Bordo

Oxigênio na altitude

Por on 9 de junho de 2017

Parecia que eu havia chegado ao Alasca ou talvez à lua. A sensação era bem essa mesmo: estou em outro planeta. Entrar pedalando no maior e mais alto deserto de sal do mundo me gerou uma série de emoções, muito porque não foi fácil chegar lá.

Depois da fronteira a estrada desapereceu e só foi possível me orientar pelo GPS, que me colocava em rotas sem marcação. Me perdi. Foi preciso empurrar a bicicleta por horas em alguns trechos de areia fofa.

Me cansei e resolvi tentar um atalho em um caminho que parecia mais firme. Que inocência! Não há atalhos quando as coisas estão difíceis! Há que encarar!

Eu não me sentia bem. Foi a primeira vez que tive algum problema de respiração com a altitude. Depois de me arrepender de sair da rota original, vi que havia um pueblo ali perto: Julaca. Fui pra lá. Quando cheguei meu arrependimento foi embora com o que encontrei.

Uma linha de trem e meia dúzia de casas em cada lado. Uma escola e uma vendinha. Era isso! Mais uma vez fui procurar um lugar para acampar protegido do vento e outra vez fui surpreendido pelo ser humano.

Eu estava num lugar simples e pobre. Perguntei para uma senhora se ela conhecia alguém na escola, pois eu queria passar a noite lá dentro. E ela me disse:

“pase no más”

Era pra eu passar pra dentro da casa dela. Disse que eu poderia dormir lá pois o frio era forte a noite.

Foi como ganhar oxigênio para enfrentar a altura. Foi como receber uma carta de boas vindas da Bolívia. Conversamos bastante. Eu é que parecia de outro mundo pra eles. Brinquei com as crianças até acabar as forças, tomei um café com leite e comi um pão junto com a família. Dormi muito bem num colchão na sala com meia dúzia de cobertores e fui acordado pelas crianças que queriam brincar mais pela manhã.

Maria Luz é a dona da vendinha da cidade. Comprei umas coisas lá. Outras ela quis me dar de presente. Me deu inclusive duas cervejas artesanais feitas de quinoa, as quais eu abri para celebrar quando chegue ao Salar.

Tive um dia lindo com eles. Provei da generosidade de quem tem pouco. Ganhei abraços e sorrisos sinceros de pessoas de uma cultura bem diferente, com quase nenhum acesso à tecnologia e à informação. Gente que vive simples mas mais importante que isso, preservada em suas origens indígenas.

Chegar ao Salar foi realmente como entrar em outro planeta, mas talvez só tenha sido tão especial porque fui empurrado por seres bem humanos.

TAGS
POSTS RELACIONADOS

ADORAMOS COMENTÁRIOS, DEIXE O SEU!

Isra 🇧🇷
Santos - SP

Jornalista, Israel Coifman é paulista de Santos e tem 34 anos. A paixão pelo esporte levou-o à profissão e o trabalho lhe apresentou o mundo. Passou por empresas como MTV, ESPN e Mowa Sports e por seis anos rodou o planeta cobrindo a seleção brasileira de futebol. Começou como freelancer e foi editor, repórter, produtor, videomaker, diretor de fotografia e deixou a função de head de video da agência Mowa Sports para ir atrás de um sonho genuinamente seu: viajar o mundo de bicicleta.

Últimos Posts
Like us on Facebook
Publicidade