Por on 21 de novembro de 2016

A decisão de viajar o mundo de bicicleta implicou num bruto processo de desapego. Não há outra forma de realizar uma expedição como esta sem viver com pouco, de forma simples. Tendo isso em vista, fazer as malas ficou mais fácil. Primeiro de tudo, foi preciso escolher bolsas apropriadas para a bicicleta: os alforjes.

img_0699-copy

Estou indo com dois pares de Alforjes Ciclotur de 70L da Curtlo. Feitos de cordura, eles são resistentes a água e vem com capas de chuva para proteger ainda mais. A fixação é feita por clips que encaixam no bagageiro e o mais legal é que eles viram mochila. Também estou levando um Alforje Rack Pack, nele cabem apenas 12L, mas é ideal para deixar itens que você precisar ter a mão.

No quadro tenho um Phone Bag, no guidão mais uma bolsa de apoio e por fim uma tradicional bolsinha de selim.

É fundamental organizar muito bem os espaços e compartimentos de todas essas bolsas para alocar itens das seguintes categorias:

  • Dormir: Barraca, lanternas, isolante térmico e saco de dormir.
  • Comer: Fogareiro, gás, panela, prato, copo, talheres e garrafa térmica.
  • Vestir: Roupas de ciclismo, roupas de inverno e roupas normais.
  • Higiene pessoal: Toalha e nécessaire completa.
  • Primeiros Socorros: Medicamentos.
  • Eletrônicos e documentos: Câmera, lentes, notebook, GPS, telefone, baterias, passaporte e carteira.
  • Manutenção: ferramentas, peças de reposição e produtos de lubrificação e limpeza.
  • Alimentação e hidratação: Alimentos e água para o dia a dia.

Viajar de bicicleta significa viver de forma consciente e sustentável. Ou seja, ter apenas o necessário. Em breve farei uma lista de tudo que estou levando para mostrar a dimensão da simplicidade.

TAGS

11 de julho de 2016

26 de novembro de 2016

POSTS RELACIONADOS
03D93485-89EC-40DD-9319-7D368E58989B
2018, que ano!

5 de janeiro de 2019

47D65D89-C8F0-4183-8BF0-101F5FD301B3
E a Europa ficou para trás

5 de janeiro de 2019

10B4C9EF-40CC-4C8F-9583-F4597793A179
Dois anos na estrada

5 de janeiro de 2019

82455E5B-2AC6-4A09-A606-3BA62A2D571A
“The lighter”

5 de janeiro de 2019

21BCE185-222B-47C7-AB2F-DFD8D67CA179
Finding joy everywhere

5 de janeiro de 2019

1E656438-6FEB-46FD-968D-50459C58B30C
Cold weather warm hearts

6 de dezembro de 2018

467B4B48-60B4-46FC-A4A7-903635DEE708
Um adeus na estrada

5 de dezembro de 2018

30E464FD-7411-433E-B876-0FC636E53CC8
About big cities

5 de novembro de 2018

F47FACB2-9C98-4A0C-A0F0-AA5DFEFE70E6
Noruega e os sonhos por trás da Aurora Boreal

1 de novembro de 2018

4 Comentários
  1. Responder

    Ramon

    23 de janeiro de 2017

    Isra,
    Sou Ramon, moro em Fortaleza, tenho 52 anos, gostaria de saber sua opinião-avaliação sobre:
    1-Usar alforges na bike ou
    2-Usar trailer de uma roda.
    Essa é minha maior dúvida. Poderia fazer algum comentário!

    Grato,

    Ramon

    • Responder

      Israel Coifman

      16 de março de 2017

      Olá Ramon, como vai!? Obrigado pela mensagem!
      Eu nunca usei o trailer. Há quem prefira pois a bicicleta segue com a mobilidade de sempre, principalmente no guidão, mas nao posso dizer sem experimentar. Os alforjes sao bem práticos! O que posso dizer, sem conhecer a dinâmica do trailer, é que com ele temos uma coisa a mais para carregar e quem sabe até fazer alguma manutenção. Ja me acostumei com os alforjes!

      Um abraço!

  2. Responder

    Carlos Brito

    25 de abril de 2017

    Isra,
    Acompanhando a sua trip, sobre os alforges, quantos kilos de carga. voce esta levando ao todo com alforges e agua ?

    um abraço.

    • Responder

      Israel Coifman

      26 de maio de 2017

      Olá Carlos! tudo bem?! Obrigado pela mensagem!
      Geralmente entre 40 e 50kg contando água e comida. O que mais pesa para mim é a câmera fotográfica, 3 lentes, o tripé e um notebook.
      Ainda assim, trato de deixar umas coisas pelo caminho para aliviar o peso…rs

      Abração

ADORAMOS COMENTÁRIOS, DEIXE O SEU!

Isra
Santos - SP

Jornalista, Israel Coifman é paulista de Santos e tem 35 anos. A paixão pelo esporte levou-o à profissão e o trabalho lhe apresentou o mundo. Passou por empresas como MTV, ESPN e Mowa Sports e por seis anos rodou o planeta cobrindo a seleção brasileira de futebol. Começou como freelancer e foi editor, repórter, produtor, videomaker, diretor de fotografia e deixou a função de head de video da agência Mowa Sports para ir atrás de um sonho genuinamente seu: viajar o mundo de bicicleta.

Últimos Posts
Like us on Facebook
Publicidade